Município de Alenquer

Basílica Real de Castro Verde é Monumento Nacional!


22 de junho 2023
Basílica Real de Castro Verde é Monumento Nacional!
Basílica Real de Castro Verde é Monumento Nacional!

A Basílica Real de Castro Verde foi hoje, 22 de junho, classificada como “Monumento de Interesse Nacional”.

A classificação do mais importante monumento religioso do concelho de Castro Verde foi aprovada durante a reunião semanal do Conselho de Ministros, nesta quinta-feira, 22, que decorreu na cidade de Évora.

O Decreto que reclassifica a Basílica Real surge no seguimento do processo de reclassificação submetido pela Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA), em 2021, e que mereceu parecer favorável da Direção Geral do Património Cultural, através da Secção do Património Arquitetónico e Arqueológico do Conselho Nacional de Cultura.

Para o Presidente da Câmara Municipal de Castro Verde, António José Brito a decisão do Governo "é um momento muito especial, gratificante e que coroa o importante trabalho de requalificação global da Basílica" - o principal monumento do concelho e um dos templos católicos mais importantes do Sul do país.

"Chegar aqui só foi possível graças ao importante trabalho de parceria e forte articulação ente a Paróquia, a Câmara Municipal, a Direção Regional de Cultural e a Somincor, que teve relevante papel como mecenas", refere o Presidente da Câmara Municipal, referindo ainda que "todos os católicos e todos os Castrenses estão de parabéns com esta classificação que orgulha Castre Verde e a região".

Recorde-se que, desde 2018, o templo sofreu várias intervenções de reabilitação, desde a pintura exterior e arranjo da cobertura, a melhorias de portas e janelas, passando pela reabilitação do coro alto e nártex e a magnífica requalificação do teto pintado e dos tímpanos, num investimento muito relevante, na ordem de meio milhão de euros.

A Basílica Real de Castro Verde foi erguida pela Ordem de Santiago, referenciada desde 1510, embora a construção atual date já do reinado de D. Sebastião, o qual mandou edificar no seu lugar um templo que relembrasse dignamente a "memorável vitória" de D. Afonso Henriques na Batalha de Ourique (1573) configurando, por isso, inegável interesse histórico.